Ausência.

Isto tem estado ao abandono, por um motivo ou outro acabo por adiar as partilhas no blog. A lista de coisas que quero escrever sobre a Austrália continua a crescer, só falta a motivação.

Confesso que a distância da família e dos amigos, o adiar da viagem a Portugal, o facto de morar num estúdio, que é pequeno até para dois, tem ajudado ao silêncio por aqui. Mas como sempre tudo se supera, e saber que quem verdadeiramente importa na nossa vida continua a apoiar de uma forma ou outra ajuda imenso! Toda a gente se revela nas horas mais difíceis e para nós tem sido surpreendente! 

A capacidade de absorver experiências faz-nos pensar e sentir de forma diferente, tenho a certeza que estamos melhor e mais fortes. Sem dúvida diferentes desde a nossa saída mas isso faz parte.

Anúncios

Experiências.

Hoje foi dia de visitar o reservatório de Paddington onde decorre uma exposição interactiva sobre a àgua. Quando chegamos a discussão já estava no final mas ainda deu para ver um pouco do sistema de distribuição e armazenamento. A parte engraçada é poder fazer provas de àgua dos mais diversos pontos do país, entre os quais a àgua mais pura do mundo (dizem eles). 

   
    
    
    
 
 
 
   
 

Sonhos que se tornam realidade.

Desde adolescente que gosto imenso de ac/dc, e um dos meus sonhos era vê-los ao vivo na Austrália. Ora isto é daquelas coisas que não me passavam na cabeça que se ia tornar realidade. Primeiro achava que nunca vinha para aqui e segundo eles estão a ficar velhos e com problemas de saúde. Assim que saíram bilhetes à venda o Pedro comprou uns para a bancada, mesmo à cota como eu pedi. 

A melhor forma de ir para o estádio é mesmo de comboio, fazem uns especialmente para eventos destes é o ambiente nas estações era espectacular! Como os lugares eram sentados, não havia pressa, e junto a nós estavam imensas famílias. Ver avós, filhos e netos no mesmo ambiente foi fantástico! Convém dizer que a banda continua muito boa, o solo do Angus é indescritível e memorável! Para a próxima, agora já sonho com a próxima, vamos para o relvado. Aqui quem  fica nas bancadas ‘tem’ de ficar sentado. Foi a única coisa negativa, de resto foi maravilhoso. Ficam algumas fotos. 

   
    
              

   

Dois anos.

Passou a voar mas já são dois anos na Austrália! Parece muito mas ao mesmo tempo não é assim tanto, já temos as nossas conquistas e o país vai pondo à prova a nossa determinação mas cá continuamos. 

Desta vez decidimos celebrar fora de casa, no sábado o dia em que saímos de Portugal e fomos jantar a Petersham (no Glória, um restaurante com bacalhau e petiscos à maneira) e na segunda foi dia de festejar à Australiana, ir a um bar comer um bife, beber cerveja e jogar triva (pela primeira vez e ficamos em segundo, a contar do fim).

O tempo voa e tentamos aproveitar ao máximo, a família e amigos estão do outro lado do mundo mas continuam sempre conosco, e vamos criando outros hábitos e amizades por aqui com laços fortes porque é bom ter gente à volta e caras amigas ao virar da esquina, mensagens para um café. Pequenas coisas que parecem nada mas afinal são tudo. 

Deixamos as fotografias.

  
  
   
   
    
 

Operação Stop.

Sábado, oito e vinte da manhã. Uma fila de pinos da estrada e cinco polícias em fila para o teste do álcool. 

– good morning mate. Please count to ten. ( que é como quem diz: fala aqui para o balão)

–   1-2-3-4-5-6-7-8-9-10

-thanks mate, have a great weekend! (Que é como que diz: aproveita o fim-de-semana grande)

E é assim. Aqui não pedem carta, registo do carro, não revistam a mala. Eu acho que eles fazem isto para terem a certeza que todos sabemos os números…

Ruas e ruelas.

Saímos de casa tarde, sem destino, só para comer qualquer coisa e ir ao centro comprar café. Decidimos fazer um atalho por uma ruela e descobrimos aquele que passa a ser o nosso sítio preferido para descontrair, e comer. Duas ou três ruelas de casinhas recuperadas com cafés e restaurantes, com um ambiente fantástico e relaxante. 

Spice Alley, um quarteirão castiço numa zona de muita azáfama. 

   
    
    
    
    
   

Onde comer. #1

Todas as semanas tentamos experimentar um restaurante, pub ou tasca aqui na zona. Esta semana fomos finalmente ao The Morrison na George street. Cada vez que lá passava dizia sempre: temos de vir aqui, e foi desta. 

O tempo para comer era pouco, tinha de ser rápido. Hambúrguer era a nossa escolha, por isso este era sem dúvida o sítio. O Pedro escolheu o Black Widow e eu o Kung Fu. O pão preto e a carne suculenta com o molho tipo cocktail elegeram o preferido. As batatas fritas com casca, deliciosas e não muito salgadas, foram a companhia ideal para a refeição.

Vamos voltar sem dúvida.  

    
   

Primavera

Cá em baixo as estações do ano começam sempre no primeiro dia do mês. Assim sendo já estamos na Primavera! E as temperaturas têm sido amenas e propícias a passear ao ar livre. No domingo passado fomos até ao jardim botânico, no coração da cidade, levámos um farnel e comemos sentados na relva a ver a baía!

Ficam as imagens, mas ao vivo é muito mais bonito.